Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Manga Lima

Manga Lima

27
Abr13

Mistura

Manga Meia-Loira

Desde a última vez que cá escrevi já se passaram alguns dias. Posso até dizer que a minha vida já deu algumas voltas. Não as que quero. Não as que preciso. Apenas algumas. Só algumas. E eu nem sei que sinta, nem sei que pense, nem sei que faça. Tenho de as receber. Tenho de tentar fazer o melhor que conseguir dentro daquilo que quero e daquilo que posso.

E tenho momentos de tudo. Ás vezes sinto-me num filme irreal de terror que não tem fim. Às vezes acho que tudo o que possa fazer será em vão porque parece que quando o mundo está contra aquilo que queremos não há força que resista. E aqui desmoralizo, deprimo, afundo e não quero estar na minha pele. Não quero continuar. Não quero, tampouco, imaginar que isto poderá continuar. Não quero ser eu. Outras vezes acho que tudo está e tudo poderá correr tão, mas tão mal, que só poderá correr bem. Assim, de forma irónica. Afinal já percebi que a ironia da vida pode tudo. E aí entro em modo fé-optimismo-esperança, e tudo-acaba-bem-e-se-não-está-bem-é-porque-não-acabou, e 2013-é-um-ano-de-vai-ou-racha-e-rachar-mais-é-imossível, e Maio-é-um-mês-de-Maria-e-de-fé, e Agosto-pode-ser-sempre-uma-surpresa-ou-não-fosse-um-mês-meu, e Outubro-pode-ser-ironicamente-especial, e Dezembro-será-Dezembro-ou-não-fosse-este-ano-um 13. E ainda-vou-ser-estapafurdiamente-feliz-no-meu-aeroporto-este-ano-13. E um-ano-que-começa-com-neve-e-lágrimas-só-pode-acabar-com-sorrisos-e-sol. E é por isto que (ainda) me levanto todos os dias. É por isto que ainda acho que vale a pena meter gasolina para fazer os mínimos e continuar o caminho, ainda que na reserva. E é por isto que ainda me arrasto pela estrada desta vida que não escolhi. Nestes momentos penso que ainda tenho de acreditar. Que ainda devo isso a mim própria. E é esse modo que meto na cabeça. E depois ainda tenho outro "às vezes". Às vezes penso que este modo é a maior parvoíce. E sinto-me estupidamente ingénua. E penso que se isto não for verdade (como é mais certo) me sentirei ainda mais defraudada. Ainda mais afundada. E logo depois penso que nada pode ficar como antes. Mas também nada pode ficar como está agora. E já não sei o que pensar.

Penso só que a ironia da vida e todas as leis de "compensação" do Universo farão o seu trabalho. Que o 13 é um número de fé, esperança e impossíveis. Que tudo ficará bem quando acabar bem. E que se não está bem é porque não acabou ainda. Que eu mereço esse (re)começo/final feliz. Nós merecemos. Que assim como tudo se vai tudo se vem. Que terei -teremos- sempre, cada nosso anjo-da-guarda e duas-mais-duas estrelas do céu, e que juntos nos guiarão até ao "acabar bem".

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D