Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Manga Lima

Manga Lima

29
Abr20

Pensamentos desta quarentena (não) anunciada

Manga Meia-Loira

Muitos dos dias desta quarentena tem sido calmos, tranquilos e até bonitos. Até arriscaria dizer quase todos. Ontem tive um dos dias mais difíceis desta quarentena e já não me sentia assim há bastante tempo. Dormi pouco e mal, senti-me muito zangada, triste, cansada, e muitas outras coisas dentro deste género. E depois ao fim, do dia, quando já me senti mais calma, tive um pensamento que fooi puro, real, triste e ao mesmo tempo apaziguador. Fui à janela, e nunca como agora olhei tanto para a vista daquela janela e daquela varanda, e então surgiu-me percebi uma coisa de forma muito real. Percebi que há sonhos que não se cumprem e nunca se irão cumprir, e vi muitos dos sonhos que eu tinha e que não se realizaram nem se irão realizar. Muitos deles já não se podem vir a realizar porque já passou mesmo o tempo deles. Eu sempre sonhei - e sempre tive como dado adquirido - que ia passar pelo percurso académico com os meus pais sempre ao meu lado. Isso não aconteceu nem vai acontecer: eles não estiveram aqui, estiveram até muito longe, e esse tempo já acabou e já passou. Foi um daqueles sonhos feito barco de papel que não sabemos para onde vai. Eu sonhei também - e sonhei muito - que ia viver muitos momentos bonitos e especiais nos braços da pessoa por quem me apaixonei. Isso não aconteceu: não aconteceu quando me apaixonei, nem enquanto estive apaixonada, não aconteceu até agora, muito provavelmente nunca irá acontecer e eu já nem sei se ainda estou apaixonada. Com ele, que foi o sonho que eu sonhei, não irá acontecer e é mais um sonho feito barco de papel que não sei para onde foi ou para onde vai. Como estes sonhos há muitos outros. Eu cheguei a sonhar muito com a ideia de ter um trabalho que me ocupasse o tempo todo, que me desse muitas responsabilidades, que me obrigasse a estar sempre a viajar, que me fizesse correr o tempo todo. Cresci, percebi o que é realmente importante na vida, e quero tudo menos um trabalho assim. Quero um trabalho que se limite ao número de horas obrigatório, que me ocupe apenas o necessário, que não me obrigue a viajar e que seja o mais perto de casa possível. É mais um daqueles sonhos que não sei por onde ficou, embora este já esteja muito longe de mim e seja uma coisa muito natural. Isto é triste - é e não deixa de o ser - mas também é um sentimento que todos temos. Há sempre desejos e sonhos bonitos que ficam pelo caminho. Nem tudo é mau: tenho a certeza que a ausência dos meu pais me ajudou a aprofundar as outras relações e me fez criar relações de amizade super importantes e especiais que de outra forma talvez não tivessem acontecido. Tenho a certeza que a ausência deles me fez trocar completamente as prioridades e me fez perceber o que realmente é importante na vida, e isso só pode ser bom, mesmo muito bom. Se era assim que eu queria: não, nunca, e se pudesse escolher ia sempre decidir tê-los ao lado. Tenho também a certeza que o desamor me trouxe, para lá de tudo, algo de bom. As passagens pelos caminhos sombrios de lágrimas e angústias, e aquele sentimento de perder uma parte da vida ou uma parte de nós, foi mais do que isso. Fez-me dar um mergulho interior e perceber melhor quem sou e o que quero, fez-me crescer muito, assim mesmo muito, e obrigou-me a ter ainda mais resistência. Cresci e aprendi, muito, e mais uma vez percebi aquilo que é realmente importante. Continuar a vida como se nada acontecesse quando temos o coração em pedaços que vão de Viana do Castelo a Faro e a alma desfeita e perdida por sítios sobrios que nem conhecemos obriga-nos a resistir e isso é importante. Obriga-nos a saber que a vida sempre continua e o sol volta sempre a nascer: mesmo que tudo doa e que ás vezes até haja dor física. Continuar a conversar e a sorrir, sempre, com alguém que amamos mas que sabemos que não nos ama é algo que nos ultrapassa mas nos faz crescer de uma forma única. Se eu preferia que na altura em que me vi perdidamente apaixonada tudo se tivesse alinhado e eu tivesse ficado nos braços dele? Sim, claro que sim. Eu desejei profundamente passar o resto da vida ao lado dele e quis muito isso, mas não foi simplesmente possível. Estava eu a ter estes pensamentos, que em si não são bonitos, e percebi também mais coias que me fizeram sentir verdadeiramente em paz. Eu não tive os meus pais comigo durante o percurso académico mas ainda hei-de tê-los ao meu lado por muitos e longos anos. Eles irão voltar, eu estarei aqui e teremos toda uma vida para aproveitar e uma série de momentos e dias bonitos e especiais para viver. Teremos tempo para recuperar memórias que já temos e para construir muitas mais, bonitas espero eu. O sonho não acabou: há-de ter outra forma mas há-de ser sonhos e há-de ser com certeza tão ou mais bonito que o anterior. O mesmo se passa com o desamor. Eu apaixonei-me e desejei partilhar a alma e a vida com ele. Não aconteceu nem irá acontecer, pelo menos com ele, mas isso não foi o fim de nada nem pode ter sido. Agora lembrei-me de uma frase: "o que resta é sempre o princípio feliz de alguma coisa" e essa frase diz tudo. Eu não sei quando nem como, mas sei que um dia há-de aparecer alguém por quem eu me apaixone profundamente e que me faça sentir a parte boa e bonita do amor. Há-de haver alguém que me faça sorrir de forma pura e nos braços de quem eu poderei sonhar e construir memórias e sonhos. Há-de haver alguém que me faça sentir o coração por inteiro e que me faça acreditar que sempre chegamos aonde nos esperam. E foi isto aquilo que eu vi ontem da minha janela. Ou melhor, foi isto que se passou dentro de mim ontem ao fim da tarde, enquanto vi a cidade do vidro da minha varanda. Há os sonhos que ficaram nalgum lugar que não sabemos onde fica e do qual nunca iremos ter a chave, e depois há todos os outros sonhos que são parte de nós e que nos fazem acordar e viver e sorrir. Todos os sonhos que nos motivame  nos levam a continuar. Esses são o nosso motor e hão-de ser o nosso destino, e é desses que temos sempre que nos lembrar. No fim do dia, no fim do ano ou no fim da vida só interessa uma coisa: que aqueles sonhos que são parte de nós e que nos fizeram viver sejam sempre mais que aqueles que ficaram por lugares que não descobrimos. Que a vida seja sempre feita de poucos momentos em que olhamos para o que resta e de muitos momentos em que vemos o princípio feliz de muita coisa.

23
Abr20

Peripécias de um concurso (não) anunciado

Manga Meia-Loira

Eu estava à espera, já há algum tempo, que abrisse um certo concurso para me candidatar. É raro abrir, tem poucas vagas e eu não fazia ideia quando poderia abrir. É difícil de se conseguir ser selecionado, muito difícil, mas eu tenho a obrigação de tentar porque é uma coisa que quero muito, assim mesmo muito. Quando vi, logo no início de abril, que o concurso tinha sido lançado, decidi imdediantamente que tinha de me candidatar. No início deste abril onde já estava o país todo em isolamento. Eu vi, decidi e deixei estar porque ainda tinha prazo - não, isto não se faz e já serviu (e bem) para eu aprender a lição. Sucede que o prazo aproximou-se do fim e eu precisava de tinteiros para imprirmir documentos, preencher e digitalizar. Sucede que eu, domingo, fui em busca de encomendar tinteiros pela internet. Para começar bem, percebi logo que os tinteiros que eu queria estavam esgotados em todo o lado. Duas horas de pesquisa em sites de lojas e serviços do género e eu a começar a queimar os parafusos do cérebro e a dirigir palavrões vários a mim própria. A mim, que me deixei andar tanto tempo sem tratar dos tinteiros da impressora de casa. A mim, que não me lembrei que é muitas vezes necessário ter uma impressora a funcionar em casa. A mim, que nem depois de comçar o isolamento me preocupei com isso. Isto porque eu habitualmente uso a impressora do escritório e não imprimo coisas em casa. Estive eu então domingo a queimar tempo e a queimar o cérebro, a ver se as lojas próximas tinham tinteiros e tudo isso, e descubro que no site da fnac os tinteiros estão disponíveis para entregar na quarta, dia 22. Muito bem. Respiro de alívio, encomendo na hora e espero. Fui acompanhando a encomenda. Ontem, dia 22, percebo que afinal o tinteiro de cores não está disponível e aguardam que o fornecedor o entregue. Não me entregam nenhum deles. Com o prazo a esgotar-se, vai que eu decido largar a ligar para tudo o que é loja e lá consigo, depois de duas tentativas, falar com uma loja que me diz que é possível encher os tinteiros vazios que tenho. Fui a correr e enchi. Voltei, comecei a imprirmir os documentos, e descobri que as folhas ficam, muitas delas, com tinta em baixo (talvez porque os tinteiros estivessem demasiado cheios). Fui tentando e lá consegui impressões decentes. Isto tudo já me deixou à beira de um colapso de nervos, mas ainda houve mais. Passei uma tarde inteira, mas mesmo inteira ao ponto de nem me ter lembrado de lanchar, a tentar preencher um documento de word disponibilizado. O que tinha o documento? O documento tinha linhas e colunas para preencher mas era necessário acrescentar e alterar a ordem de algumas. O que dizia o site? Dizia para copiar e colar conforme o necessário. O que acontecia? Eu copiava e colava e.... aquilo que estivesse abaixo do que eu colava simplesmente desaparecia. Eu tentei de tudo durante horas. Tentei copiar para outro documento e depois colar, tentei separar os itens, experimentei tudo e mais qualquer coisa. Depois de horas nisto, percebi - não sei bem como - que só com quebras de página entre cada item era possível colar e preencher mais coisas. Ainda houve mais um pormenor: um determinado item no formulário onde ninguém sabe o que deve por lá, e afinal é para colocar uma referência super importante que é motivo de exclusão. Foi isto. Como eu dizia, é um concurso onde será super difícil ser selecionado, mas é um concurso que quero muito. Se isto por acaso vier a correr bem, será mesmo um milagre. É que só por milagre é que eu consegui ter tinta em casa e só por milagre é que eu consegui resolver o problema de acrescentar informação no formulário. Aconteça o que acontecer, fiz quase o pino, três piruetas e um mortal encarpado para conseguir uma tarefa tão simples e tão básica como preencher dois documentos. Começou muito torto, só falta saber se poderá acabar direito.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D