Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Manga Lima

Manga Lima

26
Jun13

E se...

Manga Meia-Loira

E se há 11 meses o destino não me tivesse tramado? E se há 11 meses a vida não me tivesse abandonado assim como fez? E se há 11meses o mundo não me tivesse largado, assim como quem a alta velociddade e sem parar atira uma vida ferida para a estrada sem olhar para trás? E eu? E se eu não tivesse sido assim bruscamente largada e abandonada, ferida e à minha sorte? E se todas as correntes de segurança e protecção que nunca tinham falhado não me tivessem largado também? E se todo o mundo não tivesse assim sido quebrado? E se não tivesse desaparecido assim o chão e o céu, as cores e o brilho, o sol e a lua? E se aquela conversa não tivesse acontecido? E se aquela vigem, que não foi com destino à minha cidade mas ao inferno, (sei isso claramente) tivesse sido só mais uma? E se aquele dia não estivesse no calendário? E se aquele mês e aquele ano não tivessem a mancha do início do fim de tudo? E se aquela chegada a casa tivesse sido só mais uma? E se eu tivesse adormecido na noite anterior e só tivesse acordado no dia seguinte? E se tudo não tivesse começado lá? E se nada tivesse sido como foi? E se aquilo nunca tivesse acontecido? E se eu não tivesse sido assim abandonada, largada e desprezada com toda a brutalidade por tudo o que me prendia, tudo o que queria, tudo o que sonhava, tudo o que amava? E se não, e o céu continuaria azul e no sítio dele, e a lua continuaria brilhante, e o sol continuaria a fazer-me viver, e os dias continuariam a cheirar a vida? E se aquela segunda parte daquele tão ironicamente (mal)dito Verão tivesse apenas completado aquele que deveria ter sido o meu mais especial Verão de todo o sempre? E se completar a maioridade tivesse sido mais que multiplicar todo aquele/este sentimento de acidez, fraude, impotência e injustiça? E se tudo aquilo que era meu por direito e mérito, todos os objectivos, projectos e sonhos, não tivessem sido assim arrancados a ferros e a sangue frio entre uma noite e outra e.um dia que ainda está entalado na garganta e atravessado no coração? E se Setembro tivesse marcado o primeiro mês do resto do resto da minha vida? E se a vida tivesse prosseguido? E se eu pudesse ter feito algo, de tudo o que quer fosse, para mudar tudo isto? E se eu pudesse ter ido, ao fim do mundo que fosse, para não ter de ver os pedaços desfeitos de todos.os projectos.que tinha, para não.ter de ver.tudo a desmoronar-se,pedaço a pedaço, passo a passo, sem poder fazer nada? E se eu não tivesse andado a minha vida inteira a lutar e a construir tudo o que dasabou entre uma noite e outra e um dia que não passou? E se tudo seguisse os planos qie só existiram, sei agora, na minha cabeça? E se o mundo e todas as pessoas também tivessem parado? E se o dia não nascesse mais e as cores e o brilhos e o cheiro a vida fossem arrancados do universo como a minha vida foi de mim? E se por aqueles dias a minha vontade fosse muito para além da de fazer o mundo desaparecer? E se eu tivesse dia algum aceitado isto e, dessa forma, abandonado tudo o que sempre fui, tudo por que vivo? Pois. O problema não é tudo o que de negro já aconteceu, não é o agora ou tudo o que de negro ainda está por vir, nem o estar aqui, lá ou onde quer que seja. O negro é o se, são todos estes "se's", é ver tudo desabar e ser arrancado sem poder fazer nada, é tudo o que se perde e se destrói pelo meio, é o não poder mais (nunca mais) voltar a viver o que se perdeu, é ter perdido pedaços de sonhos irrecuperáveis, é não haver um fim à vista. É ninguém perceber nem um pedacinho de todas estas feridas e mágoas. É todos trocarem os dedos pelos anéis e ninguém ter a mínima percepção do tudo que se perde a cada dia, a cada hora, a cada mês, e nunca mais se recupera.. É todos os dias de cada mês vezes onze, e todos os os dias de cada mês vezes onze vezes todas estas feridas abertas. É demasiado quando se tinha todos os sonhos do mundo, é demasiado quando se é assim deixado à bruta força num canto da estrada da vida e todos continuam o seu percurso. É sempre, tão só, demasiado, e tudo continua a ir longe demais.

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D