Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Manga Lima

Manga Lima

30
Abr18

30 de Abril de 2012 / 6 anos depois

Ju

Avô, há seis anos que nos despedimos, em família, do azul dos teus olhos e da luz do teu sorriso! Às vezes parece que passou uma eternidade e foi tudo numa outra vida, outras vezes olho para aquele tempo como se tivesse sido ainda ontem. Tudo aconteceu naquele ano que me (nos) ficou marcado a ferros. Em Abril estava (estávamos?) muito longe ainda de imaginar tudo o que aconteceria depois. Aquela Ju que se despediu de ti era uma Ju triste mas uma Ju cheia de sonhos e objetivos - todos quantos os que podem caber no mundo de uma menina de 17 anos para quem a vida é (era?) tudo aquilo que ela queria. Estava longe - muito longe mesmo - de imaginar que algum dia os meus pais iriam para fora. Ainda mais longe de imaginar que com a decisão deles de irem viver para o outro lado do mundo eu perderia o chão, os sonhos e o mundo em que vivia. Foi tudo demasiado repentino, abrupto e demolidor para mim. Só com tempo - muito tempo - muita psicoterapia, muita lágrima, muito drama de fim de mundo e uma força do tamanho do mundo fui começando a reconstruir o meu caminho. Não tem sido fácil, olha para o meu caos atual quando já passaram seis anos?!, mas a verdade é que tenho sido mestre na arte de sobreviver. As feridas que vem da família são sempre as mais profundas e difíceis (perto do impossível) de curar, talvez seja por isso. Seis anos depois eles continuam lá, eu estou a ter novamente um ano de que não me  quero sequer lembrar e às vezes tudo me parece demasiado nublado e cinzento. São demasiados os dias em que a vida e o amor me parecem caminhos separados, tem sido demasiados ao longo destes anos. Mas hoje tinha de relembrar aquele tempo e aquele espaço em cresci e relembrar isso é relembrar-te. É sorrir e estar genuinamente grata por ter tido dezoito anos em que tudo aconteceu da forma certa no sítio certo, e isso deve-se também a ti. Onde quer que estejas sei que estarás a olhar por nós. Quanto a mim resta-me continuar a ser mestre na nobre arte de sobreviver. E acreditar que eles voltarão num qualquer destes dias com a naturalidade com que a chuva cai e aí eu farei as pazes com estes seis anos que me tem sido marcados a ferro a fogo. E acreditar que, também com a naturalidade com que a chuva cai, a vida me guiará até aos braços de alguém que me seja colo e abrigo de amor. É isto. Há seis anos não poderia imaginar a vida de hoje - nunca imaginaria a quantidade de desafios, provações e privações. Espero não imaginar hoje a vida que terei daqui a series anos, mas desta vez quero não imaginar a quantidade de cosias boas que os próximos anos trarão. Um beijinho. Hoje e sempre.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D