Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Manga Lima

Manga Lima

30
Jul17

5 anos (26 de Julho)

Manga Meia-Loira

Fez esta semana 5 anos. 5 anos desde aquele dia em que tudo começou a mudar a sério. Desde aquele dia em que, sem nada ter mudado, houve uma vida inteira (as nossas todas e a minha em particular) que acabou ali. Era quinta-feira, tínhamos saído de uma consulta minha e estávamos no centro do Porto. E depois há aquela série de momentos: as ruas, os semáforos, o meu pai a dizer que era hora de mudar de país e de vida, a minha mãe a concordar, a Di nem sei se estava lá, e eu estupefacta e aterrorizada a não querer acreditar. Eu e a minha vida toda ali em jogo, um futuro mais que planeado e muito mais que desejado a caminho (aqui) e eu a ver tudo a desfazer-se ali à frente dos meus olhos e na minha cabeça. Lembro-me de quase tudo: do meu "não", de todas as (tantas) lágrimas, da viagem de comboio que foi a pior de sempre e da sensação de impotência, angústia e frustração. Naquele dia vi grande parte do filme que se seguiu à minha frente. Primeiro a negação, depois a dor da realidade. A candidatura à universidade e o sonho que isso representava a ficarem suspensos; as noites de revolta, dor, injustiça e choro; não querer ir e decidir ir, achando que seria o que tivesse de ser (perdida por cem, perdida por mil); ver que entrei na universidade e no curso que queria e isso ser um momento que foi tudo menos o que devia ser; ver os meus amigos a viver esse (e outros) sonho(s) e eu com a vida parada; ir e rejeitar tudo; descer o mais fundo que alguém pode descer lá e experimentar sensações e sentimentos que jamais quero viver ou relembrar; chorar, escrever, tentar falar e senntir-me perdida; sentir-me sem vida, sem objectivos, sem caminho, sem família, sem nada; sentar-me (lá) no chão da entrada da casa a conversar com a minha mãe e acabar a atirar-me para o chão daquele escritório a falar com o meu pai e a chorar, gritar e arrancar cabelo - ainda revejo isto como quem puxa atrás um filme e só espero nunca mais chegar, sequer, perto daquele estado que nem sei (nem quero saber) explicar; decidir, em conjunto com eles, que a hipótese que me restava era regressar e recomeçar; ter consciência, todos os dias, que voltar era a única coisa que me restava para não desistir de mim, deles e da vida; aterrar cá, levar um banho de sal e sol e tentar o recomeço possível tendo-os longe; sentir, todos os dias, a dor de viver longe deles e do círculo de amor e família que tivemos um dia; não saber o que fazer com tudo o que já tinha sofrido e com o que ainda me faltava sofrer; entrar, finalmente, na universidade e levar o maior choque e banho de realidade da minha vida com esse "recomeço" e com a rotina; achar, todos os dias, que nunca conseguiria acabar o curso; passar metade do tempo a chorar e a outra metade a tentar estudar; ter um resultado péssimo no primeiro teste e um quase ataque de pânico antes do segundo teste; querer mudar de curso todos os dias daquele primeiro semestre; fazer psicoterapia e começar a (re)construir um caminho que me foi fazendo continuar e reaprender a sonhar; começar a gostar do curso, confirmar que tenho capacidade para o fazer e decidir que o quero (muito) fazer; apaixonar-me pelo curso e encontrar (também) nele um sentido para a vida; deixar a vida seguir o seu rumo e ir sonhando. Passaram-se cinco anos. Tive e tenho (todos os dias) umas saudades infinitas deles e uma falta incrível de os ter aqui perto. Chorei a alma e a vida, sobretudo no início, e continuo a chorar de vez em quando pelo colo deles que está tão longe. Percebi e sei que há feridas que cicatrizam mas nunca serão esquecidas. Acabei o curso e foi, até agora, a grande realização da minha vida. Tive uma festa de finalistas linda e especial e os meus pais ficaram tão ou mais felizes do que eu. Decidi o que quero continuar a estudar e onde e estou em paz com isso. Pelo meio continuei a ter os meus amigos de sempre por perto, fiz amigos incríveis na universidade como nunca achei possível e estudei que me fartei. Dediquei-me profundamente ao curso, como queria, e tive excelentes resultados - fi-lo por mim, por eles e porque precisava de provar a mim (sim, antes e para lá de qualquer coisa, a mim) e ao mundo que era capaz e conseguia. Cresci - durante estes cinco anos cresci infinitamente enquanto pessoa: ganhei um lado humano que de outra forma nunca teria; percebi que grande parte da nossa vida não depende de nós, só nos resta saber viver com isso; percebi que a dor nos transforma e nos pode fazer ser melhores pessoas; ganhei compreensão para com quem vive momentos de fragilidade; ganhei sensibilidade (muita) mas também me tornei ainda mais defensiva; Mudei: mudei tanto a forma de ver a família e a vida, e ainda bem! Percebi que nada pode ser mais importante que a família e o amor porque sem eles nada (mesmo nada) faz sentido. Percebi que quero muito tê-los sempre perto. Percebi que quero muito encontrar alguém que me ame por aquilo que sou e que queira viver uma história de amor comigo. Percebi que quero muito casar, com véu, assinaturas e tudo. Percebi que quero muito ser mãe e educar um filho. Talvez esta seja das maiores riquezas que tudo isto me deixa: a certeza de que a família se sobrepõe a tudo e que quero muito viver a conjugalidade e a parentalidade. Foi difícil, muito difícil até, o tempo que se seguiu àquele dia. Talvez não tivesse sido preciso tanto sofrimento para crescer. A vida quis assim. Cresci, sobrevivi e descobri aquilo que quero para mim. Consegui aquilo de que tanto duvidei e achei impossível. Estou em paz, todos os dias, com a vida que escolhi e escolho e isso não tem preço. (Eles estão lá e vou continuar a querer tê-los sempre aqui e por perto, isso é inultrapassável, mas hoje e agora estou em paz com isso e é o que verdadeiramente importa.) Sobre o resto? Amor e enquanto houver estrada para andar a gente vai continuar.

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D