Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Manga Lima

Manga Lima

11
Ago17

Amores e Amigos

Ju

Eu e a "Clara" pertencemos ao mesmo grupo de amigos há anos, tantos que já lhes vamos perdendo a conta. De formas diferentes vivemos os mesmos dilemas amorosos. Ela já teve a coragem de tentar que o amor/ódio que sente por um dos nossos amigos fosse mais que amizade e ele teve medo e não quis, ou faltou-lhe coragem. Eu nunca cheguei a ter essa coragem para tentar isso com outro dos nossos amigos, por falta de coragem e por ter sérias dúvidas de tudo. Eu e ela não temos namorado e temos muito de descrentes no amor. Eles estão bem com as namoradas e nós, genuinamente boas pessoas e genuinamente amigas deles, desejamos que a vida siga e eles sejam felizes (Aqui, e sendo sincera, neste momento quero que ele seja feliz mas longe de mim. Tenho coração para desejar de forma verdadeira que seja feliz, mas não tenho coração para dizer que quero assistir de perto a tudo.) Eu acho até que ela, que não tem namorado, já tem quase a questão ultrapassada na cabeça dela, e arriscaria dizer que quem não está assim tão bem resolvido é o nosso amigo de quem ela gostou. Apesar de tudo, a verdade é que todos nós (eles, principalmente) foram fazendo as suas escolhas e o segredo é seguirmos em paz com isso. E seguimos e seguiremos. Mas vamos sempre as duas saber que quem perde serão sempre eles.. ou pelos menos perdem-nos a nós e perdem a paz e a oportunidade de um amor daqueles que nos faz sentir em casa. Nós já perdemos, ou aliás nunca tivemos, mas eles é que vão sair a perder e digo-o sem precisar de saber a vida que eles vão ter ou a pessoa que tem ao lado. Desejando que eles sejam felizes, a verdade é que quero muito mais ver-me a mim e a ela felizes com alguém que nos mereça e nos dê o melhor da vida, e que tenha a coragem de nos agarrar e não deixar fugir. Eles vão só continuar a ser os mesmo totós de sempre, e quanto a isso não podemos fazer nada. Uma mensagem por ano a dizer que estão longe e bem será suficiente. Há algo em que pelo menos vamos ganhar sempre: daqui a uns anos vamos entrar em casa, ter alguém que nos ama à espera e nunca vamos ter de nos perguntar como seria se tivéssemos ficado com eles. Nunca vamos ter de perguntar porque afinal foram eles a fazer a escolha que os afastou. Já eles nunca poderão dizer o mesmo: eles até poderão entrar em casa e ter alguém que os ama à espera, mas vão viver sempre com a dúdiva de como seria se tivessem tentado. E já agora também podem ficar com a certeza de que a paz que procuramos a vida inteira até estava em nós. (No entretanto, haveremos algum dia de ter de anunciar que arranjamos namorado... e há-de ser lindo de se ver. Se não demorar uma série de anos sou capaz de escrever sobre isso.)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D