Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Manga Lima

Manga Lima

03
Fev17

Para onde vão os barcos que construímos?

Ju

IMG_2831.JPG

 

Para onde vão os barcos que construímos quando estamos tristes? Para onde vão os barcos que construímos quando o coração se aperta e a nossa vida parece uma equação que nunca se resolve? Para onde vão os barcos que construímos quando a incerteza das idas e voltas nos aperta o estômago e a esperança? Para onde vão os barcos que construímos quando estamos tristes e só queremos um pedaço de amor do círculo a que já pertencemos? Quando a família e o amor nos parecem caminhos que nos fogem por entre os dedos todos os dias e isso nos destrói aos bocadinhos? Quando nos olhamos de fora para dentro e percebemos que nos falta o essencial, sabendo que não está ao nosso alcance fazer nada contra isso? Para onde vão os barcos que construímos quando estamos tristes e temos medo, tanto medo, do tempo que ainda falta até ao regresso final? Para onde vão os barcos que construímos quando percebemos que a única pessoa que nos toca no coração é impossível por várias razões? Para onde vão os barcos que construímos quando estamos tristes e o amor nos parece um lugar estranho, uma desdita que nunca se resolve e nos faz duvidar do futuro? Para onde vão os barcos que construímos quando choramos uma vida que não temos e que sonhamos e devíamos ter? Quando choramos a vida que temos e as mudanças que não acontecem, raios!, porque não acontecem? Para onde vão os barcos que construímos quando saímos mais uma vez pela porta branca da cozinha, uma ao fim de tantas e tantas, e passamos mais uma vez por aquele caminho e fechamos mais uma vez aquele portão verde e entramos mais uma vez no carro que mais uma vez está no mesmo sítio? E a chuva que não para, qual mar onde os barcos podem navegar, e as nossas lágrimas a perguntar para onde vão os barcos que construímos quando já estamos exaustos de um sítio e da vida que temos nesse sítio e damos tudo pela paz de uma mudança? Para onde vão? Não sei, talvez a chuva e o nevoeiro não deixem ver que há um porto seguro e calmo à espreita.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D