Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Manga Lima

Manga Lima

16
Dez20

Sobre a sorte imensa de se viver em Portugal

Manga Meia-Loira

Para começo de conversa, devo dizer que já vivi sete meses da minha vida fora, mais propriamente no Canadá, há uns anos atrás. Isso muda logo a perspetiva. Se para quem nasceu e cresceu em Portugal, aquilo que temos de bom até pode ser um dado adquirido, quando vivemos fora alguns meses começamos a perceber que devemos mesmo valorizar o que temos de bom em Portugal. Eu própria não tinha bem noção deste privilégio que é nascer, crescer e viver em Portugal. Sucede que, fruto de coisas da vida e de decisões dos meus pais, há oito anos eu estava a entrar na universidade e eles decidiram que iam viver para o Canadá, sendo que eu fui com eles (um bocadinho por arrasto, confesso). Fui na condição de ir para lá estudar inglês e tentar entrar na universidade. Se eventualmente não gostasse, tinha a vaga na universidade garantida aqui. Não precisarei de dizer que voltei mais rápido do que fui, e que fiquei lá sete meses porque o curso de inglês a isso me obrigou. Estive lá de outubro a maio (descobri, portanto, as maravilhas do inverno canadiano em primeira mão e sem anestesia...e que bom que - não - foi!). Tudo o que eu posso dizer sobre isso é que a experiência serviu para confirmar a certeza de que não sou nada nómada, nem viajante, nem emigrante, nem aventureira. Nasci para ficar. E que bom que é nascer para ficar e viver no verbo ficar (que me perdoem mas o verbo ir não é par mim). Depois, podia dizer mil coisas sobre como achei o clima horrível, sobre como a cidade gigante em que estava me sufocava, sobre como as pessoas me pareciam estranhas, sobre como a cultura e a forma de ser eram tão diferentes de mim e do meu mundo, sobre a falta que senti dos sabores, das pesssoas e das paisagens portuguesas. Podia escrever mil coisas sobre como não é nada bonito viver com neve (é durante dois ou três dias, depois é só chato e a seguir é quase insuportável), sobre como os hábitos e horários e rotinas são tão estranhos, ou sobre como me senti o mais longe possível de mim e do que queria.

Isto para chegar ao ponto que queria: somos uns privilegiados em Portugal. Temos um clima espetacular. Temos paisagens únicas e lindas de viver. Temos praia por perto. Temos serra. Temos cidades lindas. Temos comida do melhor que há no mundo. Temos um país pacífico e seguro. Temos pessoas do mais genuíno e bonito que existe. Temos um país onde facilmente chegamos de uma ponta à outra. Escrevo isto porque, neste último mês e meio após o exame, tenho tido tempo livre (coisa que não tinha há muito tempo, para não dizer há muitos meses ou anos) e tenho aproveitado para passear. Sem ir para longe, sempre que posso aproveito e vou. Vou à praia cheirar o mar, vou à cidade ver as ruas bonitas, vou à serra ver a paisagem, subo a cidade para ter vistas bonitas. Não é a primeira vez nestes últimos tempos que fico espantada com a beleza do pôr-de-sol na praia, que fico espantada com a beleza das paisagens que encontro, que fico espantada com o clima que temos. Hoje fiz o mesmo: peguei e fui passear à praia. Um dia lindo, lindo. O tempo estava tão bom que continuei e fui pela costa abaixo. Ainda apanhei os raios do pôr-do-sol ao vir embora. Não precisei de muito: bastou pegar no carro e andar um bocado. Só isto. Ao nosso dispôr. Lindo. Único. Não sei se pareço um bocado deslumbrada (na verdade cresci habituada a ir à praia e nada disto é novo), mas talvez seja porque agora tenho um tempo e um espaço para apreciar as coisas que há muito tempo não tinha. A luz que temos aqui, o sol, as paisagens, a comida, a simpatia das pessoas e tudo o resto são algo único. Haverá mais países assim (lembro-me de Itália, por exemplo) mas nós temos uma sorte imensa por vivermos aqui. Temos mesmo e somos uns privilegiados. Quanto a mim, vou só continuar a agradecer por ter este país lindo ao dispôr e por ter a sorte imensa de ter nascido e crescido e de viver aqui. Vou continuar a aproveitar o que temos de melhor e vou tentar lembrar-me sempre disto, mesmo quando o tempo livre for menor. Vamos agardecer mais e aproveitar mais. Vamos lembrar-nos disto. Vamos olhar para a luz e para o sol que temos. Vamos apreciar a comida. Vamos aproveitar a hospitalidade e simpatia das pessoas. Vamos agradecer também por termos sistemas de saúde e de educação tendencialmente gratuitos (quanto a isto nem me vou alongar muito, mas não me perguntem quanto é que tive de pagar por um simples curso de ingês numa universidade canadiana porque foi uma fortuna... nem me perguntem quanto é que um tio meu pagou por ficar internado uma noite nos Estados Unidos porque também foi para lá de uma fortuna). Antes de resmungarmos de tudo e mais qualquer coisa, vamos pensar em tudo aquilo que Portugal nos dá de bom. A maior parte das coisas são tão simples e tão acessíveis a qualquer um de nós. Vamos agradecer e aproveitar. Eu sempre que puder vou continuar à procura do sol e das paisagens bonitas. Na praia, no topo da cidade ou no campo. 

Esta fotografia é só em exemplo. Foi tirada em fevereiro de 2019 no norte. Quanta sorte temos nós por conseguirmos assistir a algo assim em pleno inverno?

Pôr do sol.jpg

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D