Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Manga Lima

Manga Lima

16
Mai19

Velhice e um nó no coração

Manga Meia-Loira

Hoje apanhei, no programa da manhã da Cristina Ferreira, a história de um senhor que ganhou um prémio e teria de o usar para pagar o funeral da mulher e as contas em débito na farmácia. Eu não vi em direto, vi quando passei a gravação durante a hora de almoço, e a minha tia contou-me logo como era a história... nem consegui continuar a ouvir e a ver aquilo. Deu-se-me um nó na garganta, no peito e no coração que mudei logo de canal e de programa. A velhice já é uma coisa complicada: porque não a imaginamos, porque não a planeamos, porque não nos preparamos, porque provavelmente teremos uma série de doenças difíceis, porque provavelmente precisaremos que cuidem de nós como se fossemos crianças, porque provavelmente perderemos capacidades e faculdades sem as quais não nos conseguimos imaginar a viver. Juntar a tudo isto a ideia de não ter dinheiro suficiente para o essencial é aterrador e é das imagens que mais me parte o coração. A ideia de uma velhice em que não podemos ter acesso ao essencial por falta de dinheiro, junta à ideia de uma velhice sozinha e sem família, deixam-me com um nó na alma que não sei explicar. Felizmente vi os meus avós terem o que precisavam e serem cuidados e amados até ao último dia de vida, mas a realidade mostra que muitas vezes acontece o contrário. Muitas, tantas vezes, o que acontece é alguém passar os últimos tempos de vida abandonado, sozinho e sem possibilidade de comprar o essencial. No caso deste senhor nem sei se ele tem ou não mais família, se tem o apoio deles ou não, mas seja como for fiquei de coração partido. Só espero, quando daqui a muitos e muitos anos os meus pais envelhecerem, poder dar-lhes todo o amor e conforto material. Só espero um dia, quando for eu a envelhecer, poder contar com todo o amor e conforto material possível. Ninguém, no mundo, deveria algum dia passar pela velhice sem amor e sem os bens materiais essenciais à vida. Caramba, logo eu que nem sou pessoa de sentimentos assim. Um dia, para além de um gabinete de assistência jurídica gratuita, crio um grupo de apoio emocional e material a idosos... assim talvez eu ganhe coragem de estar presente e apoiar e deixe de querer fugir para sofrer menos.

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D